terça-feira, 2 de agosto de 2016

Prof. Marcelo Clemente, ministra curso de Primeiros Socorros para docentes e gestores do Colégio Hugo Sarmento.

Dia 29 de julho, o Prof. Marcelo Clemente ministrou mais um Curso Básico de Primeiros Socorros, para docentes, gestores e demais funcionários. Desta vez, o curso foi ministrado no Colégio Hugo Sarmento, tradicional colégio da Vila Madalena, com mais de 50 anos de tradição.





Os temas abordados no treinamento foram:
Prevenção de acidentes; Engasgamento (asfixia).- Manobra de Heimlich; Corpos estranhos em olhos, ouvidos e nariz;
Queimaduras; Afogamento; Estados de choque/convulsões; Hemorragias;
Fraturas; remoção de acidentados;
Reanimação cardio-pulmonar em bebês, crianças e adultos (RCP) - de acordo com o protocolo mais recente da American Heart Association.

Prof. Marcelo ministrando treinamento de Primeiros Socorros para Educadores

Prof. Marcelo Clemente, demonstrando a aplicação da Manobra de Heimlich

Demonstração da aplicação da técnica correta de Reanimação
Cardiopulmonar em bebês, crianças, adolescentes e adultos.

Prof. Marcelo Clemente orientando sobre os procedimentos de RCP

Participantes treinam nos bonecos manobras de salvamento.

Prof. Marcelo orienta participantes sobre o correto
posicionamento das mãos para aplicação da massagem
cardíaca.

Orientação detalhada aos participantes no momento de treinar com os bonecos

Orientação sobre remoção e locomoção de vítima de acidentes,
utilizando uma maca de remoção.


INSTRUTOR:
Marcelo Clemente -
Socorrista capacitado no método START pelo Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Bombeiros de São Paulo e em Primeiros Socorros pela Cruz Vermelha do Estado de São Paulo e pela Escola de Bombeiros do Estado de São Paulo. Atuou como Membro da Equipe de Socorristas do Senac - São Paulo. 
Mestre em Educação e Saúde na Infância e Adolescência pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP. 
Pedagogo e Psicopedagogo Clínico e Institucional. 
Professor universitário de Pedagogia. Consultor Pedagógico e Empresarial.

O Curso é Certificado pelo Instituto Paulista de Educação e Saúde IPES.
.
Entre em contato e agende uma visita!
Contatos:
Professor Marcelo Clemente
E-mail: marcelorhema@gmail.com


Fone/ WhatsAPP (11) 9 6070-9219

Prof. Marcelo Clemente, ministra treinamento de Primeiros Socorros na WABCO do Brasil

Funcionários e gestores da Wabco do Brasil, participaram no dia 18/07/2016, de um dia de treinamento sobre Primeiros Socorros com o Prof. Marcelo Clemente.

Uma das mais importantes fornecedoras de sistemas de freio e outras tecnologias para veículos comerciais, a divisão Brasil da Wabco, sediada em Sumaré, interior de São Paulo, recebeu o Prof. Marcelo Clemente para ministrar treinamento sobre Primeiros Socorros em duas turmas, uma pela manhã e outra à tarde.

Divisão Brasil da Wabco, sediada em Sumaré, interior de São Paulo,
recebeu o Prof. Marcelo Clemente para ministrar treinamento sobre Primeiros Socorros

A WABCO é o fornecedor global número um de tecnologias e serviços que melhoram a segurança, eficiência e conectividade de veículos comerciais para torná-los  mais seguros e mais fáceis de controlar desde 1869. WABCO é uma empresa líder mundial na fabricação de freios para veículos comerciais, sistemas de estabilidade, controle de suspensão & transmissão.
Hoje, com uma lista imbatível de novidades no mercado a WABCO continua na vanguarda de inovações para assistência ao condutor, de frenagem, controle avançado de estabilidade , suspensão, automação de transmissão e aerodinâmica para comercial caminhão, ônibus, reboque e veículos em geral de diversos fabricantes.

A visão da WABCO é salvar vidas e proteger o ambiente.




Funcionários e gestores da WABCO do Brasil participaram de
um treinamento sobre Primeiros Socorros com o Prof. Marcelo Clemente

Durante o treinamento, momento de descontração 

Prof. Marcelo Clemente, orienta funcionários e gestores da WABCO sobre
correta aplicação da manobra de Heimlich


INSTRUTOR:
Marcelo Clemente -
Socorrista capacitado no método START pelo Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Bombeiros de São Paulo e em Primeiros Socorros pela Cruz Vermelha do Estado de São Paulo e pela Escola de Bombeiros do Estado de São Paulo. Atuou como membro da Equipe de Socorristas do Senac - São Paulo. 
Mestre em Educação e Saúde na Infância e Adolescência pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP. 
Pedagogo e Psicopedagogo Clínico e Institucional. 
Professor universitário de Pedagogia. Consultor Pedagógico e Empresarial.

O Curso é Certificado pelo Instituto Paulista de Educação e Saúde IPES.
.
Entre em contato e agende uma visita!
Contatos:
Professor Marcelo Clemente
E-mail: marcelorhema@gmail.com




Fone/ WhatsAPP (11) 9 6070-9219

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Lei de Ensino de Primeiros Socorros em escolas é aprovado no Estado de São Paulo. Confira a participação do Prof. Marcelo Clemente em debate promovido pela TV Assembleia Legislativa de São Paulo

Prof. Marcelo Clemente foi convidado a participar de um debate realizado na Assembleia Legislativa de São Paulo, sobre a Lei 15.661/15, que institui a inclusão de uma aula de primeiros socorros no ensino básico da rede estadual. O Prof. Marcelo Clemente, Socorrista formado Socorrista capacitado no método START pelo Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Bombeiros de São Paulo e em Primeiros Socorros pela Cruz Vermelha do Estado de São Paulo e pela Escola de Bombeiros do Estado de São Paulo afirmou: " Já ministro curso básico de Primeiros Socorros há muitos anos e fiquei muito satisfeito com essa iniciativa".


Participaram do Debate o autor da Lei, Diretor do Hospital do Coração em São Paulo, o Prof. Marcelo Clemente e um representante do Corpo de Bombeiros do Estado de São Paulo.
Confira no video abaixo, a participação do Prof. Marcelo Clemente no debate promovido pela TV Assembleia:
O programa Agora é Lei, recebe o deputado Carlos Cezar, do PSB, Prof. Marcelo Clemente e convidados para falar sobre a Lei n° 15.661, que fala sobre lições de Primeiros Socorros na educação básica da rede escolar em todo Estado. Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=9SpJBukgbUo


terça-feira, 26 de abril de 2016

26 de abril - Dia Nacional de Prevenção e combate a Hipertensão Arterial



O que é Hipertensão?

A hipertensão arterial ou pressão alta é uma doença caracterizada pela elevação dos níveis tensionais no sangue. É uma síndrome metabólica geralmente acompanhada por outras alterações, como obesidade. Cerca de 20% da população brasileira é portadora de hipertensão, sendo que 50% da população com obesidade tem a doença. A hipertensão pode acontecer quando nossas artérias sofrem algum tipo de resistência, perdendo a capacidade de contrair e dilatar, ou então quando o volume se torna muito alto, exigindo uma velocidade maior para circular. Hoje, a hipertensão é a principal causa de morte no mundo, pois pode favorecer uma série de outras doenças.
Quando o seu coração bate, ele contrai e bombeia sangue pelas artérias para o resto do seu corpo. Esta força cria uma pressão sobre as artérias. Isso é chamado de pressão arterial sistólica, cujo valor normal é 120 mmHg (milímetro de mercúrio). Uma pressão arterial sistólica de 140 ou mais é considerada hipertensão. Há também a pressão arterial diastólica, que indica a pressão nas artérias quando o coração está em repouso, entre uma batida e outra. Um número normal de pressão arterial diastólica é inferior a 80, sendo que igual ou superior a 90 é considerada hipertensão.

Tipos

A hipertensão pode ser dividida em três estágios, definidos pelos níveis de pressão arterial. Esses números, somados a condições relacionadas que o paciente venha a ter, como diabetes ou histórico de AVC, determinam se o risco de morte cardiovascular do paciente é leve, moderado, alto ou muito alto. Além disso, quanto mais alta a pressão arterial, maior a chance de o paciente precisar usar medicamentos.
Estágio I: hipertensão acima de 140 por 90 e abaixo que 160 por 100
Estágio II: hipertensão acima de 160 por 100 e abaixo de 180 por 110
Estágio III: hipertensão acima de 180 por 110.

    Fatores de risco

    A hipertensão é herdada dos pais em 90% dos casos. Em uma minoria, a hipertensão pode ser causada por uma doença relacionada, como distúrbios da tireoide ou em glândulas endocrinológicas, como a suprarrenal. Entretanto, há vários outros fatores que influenciam os níveis de pressão arterial, entre eles:

    • Fumo
    • Consumo de bebidas alcoólicas
    • Obesidade
    • Estresse
    • Grande consumo de sal
    • Níveis altos de colesterol
    • Falta de atividade física
    • Diabetes
    • Sono inadequado.
    Além desses fatores de risco, sabe-se que a incidência da hipertensão aumenta com a idade. Isso porque com o passar do tempo nossas artérias começam a ficar envelhecidas, calcificadas, perdendo a capacidade de dilatar - são chamados de vasos menos complacentes. Com isso a hipertensão arterial é mais fácil de acontecer - cerca de 70% dos adultos acima dos 50 ou 60 anos possuem a doença.

    Sintomas de Hipertensão

    Os sintomas da hipertensão costumam aparecer somente quando a pressão sobe muito: podem ocorrer dores no peito, dor de cabeça, tonturas, zumbido no ouvido, fraqueza, visão embaçada e sangramento nasal.

    Sintomas de Hipertensão

    Os sintomas da hipertensão costumam aparecer somente quando a pressão sobe muito: podem ocorrer dores no peito, dor de cabeça, tonturas, zumbido no ouvido, fraqueza, visão embaçada e sangramento nasal.

    Tratamento de Hipertensão

    A hipertensão não tem cura, mas tem tratamento para ser controlada. Somente o médico poderá determinar o melhor método para cada paciente, que depende das comorbidades e medidas da pressão. É importante ressaltar que o tratamento para hipertensão nem sempre significa o uso de medicamentos - mas se estes forem indicados, ela deve aderir ao tratamento e continuar a tomá-lo mesmo que esteja se sentindo bem. Mas mesmo para quem faz uso de medicação é imprescindível adotar um estilo de vida saudável:
    • Manter o peso adequado, se necessário, mudando hábitos alimentares
    • Não abusar do sal, utilizando outros temperos que ressaltam o sabor dos alimentos
    • Praticar atividade física regular
    • Aproveitar momentos de lazer
    • Abandonar o fumo
    • Moderar o consumo de álcool
    • Evitar alimentos gordurosos
    • Controlar o diabetes e outras comorbidades.
    Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

    Complicações possíveis

    As principais complicações da hipertensão são AVC, por infarto agudo do miocárdio ou doença renal crônica. Além disso, a hipertensão pode levar a uma atrofia do músculo do coração, causando arritmia cardíaca. É importante ressaltar que qualquer combinação de fatores de risco é sempre muito mais grave, pois o risco das comorbidades é multiplicado. Em média, uma pessoa com hipertensão que não controla o problema terá uma doença mais grave daqui 15 anos.

    Prevenção

    Pessoas em idade adulta meçam a pressão pelo menos uma vez por ano como forma de acompanhamento (a medidas que vamos envelhecendo a pressão vai aumentando). Além disso, outros hábitos de vida saudáveis podem ser adotados para prevenir a hipertensão:
    • Evite ficar parado: caminhe mais, suba escadas em vez de usar o elevador
    • Diminua ou abandone o consumo de bebidas alcoólicas
    • Tente levar os problemas do dia a dia de maneira mais tranquila
    • Mantenha o peso saudável: procure um profissional de saúde e peça orientação quanto à sua alimentação
    • Tenha uma alimentação saudável
    • Diminua o sal da comida.
    Fonte: http://www.minhavida.com.br/saude/temas/hipertensao



    sábado, 6 de fevereiro de 2016

    Prof. Marcelo Clemente ministra palestra sobre Educação e Neurociências para Educadores.

    Dia 30/01/2016  o Instituto Paulista de Educação e Saúde - IPES, promoveu mais uma edição do mini curso de Neurociências, Educação e Práticas Pedagógicas Eficientes. 

    No curso os participantes tiveram a oportunidade de vivenciarem a Experiência de Aprendizagem Mediada - EAM, conheceram um pouco da Teoria da Modificabilidade Cognitiva Estrutural - TMCE, bem como uma visão geral do Programa de Enriquecimento Instrumental - PEI, abordagens de desenvolvimento cognitivo elaboradas pelo Prof. Reuven Feuerstein.

    "Todo professor deveria aprender a importância da mediação na aprendizagem e como precisam rever sua postura e didática em sala de aula, tendo como foco principal, o desenvolvimento de seus alunos", afirmou o Prof. Marcelo Clemente, palestrante do curso, Pedagogo, Especialista em Desenvolvimento Humano, Psicopedagogia Clínica e Institucional, Mestre em Educação e Saúde pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e mediador licenciado pelo Feuerstein Institute.



    Prof. Marcelo Clemente, falando sobre o aumento do interesse na
    área de Neurociências
    e a atenção do mercado editorial brasileiro sobre a temática.

    Explicação sobre o Programa de Enriquecimento Instrumental - PEI

    Participantes realizaram atividades relacionadas à aceleração da aprendizagem
    e mediação na aprendizagem.

    Vivências e atividades sobre Educação e Neurociências.

    Prof. Marcelo Clemente realizando mediação junto
    aos participantes do curso.
    Participe você também dos eventos de formação permanente do 
    Instituto Paulista de Educação e Saúde - IPES. 

    Maiores informações: 

    www.marceloclemente.com.br

    contato@marceloclemente.com.br


    ou pelo celular: (11) 96070-9219 



    (11) 96070-9219

    sábado, 17 de maio de 2014

    O perigo da Síndrome do Bebê Sacudido


       Conceito:
       Síndrome do Bebê Sacudido é o termo que descreve uma série de sinais e sintomas que ocorrem em conseqüência da sacudida manual vigorosa do bebê, sustentando-o por suas extremidades ou pelos ombros, o que causa forças de aceleração do cérebro dentro do crânio, com conseqüentes lesões. O grau de dano cerebral depende da quantidade, duração do sacudir e das forças que resultarem em impacto na cabeça.
       

    Boneco pedagógico que demonstra como o cérebro do bebê bate na região frontal e occiptal do cérebro, causando lesões.

       Também é usado o termo Lesão Cerebral por Abuso, por causa da controvérsia que envolve a questão da possibilidade ou não de todos os bebês, com sérios danos cerebrais, a partir da "sacudida", terem também experimentado trauma de impacto.
       


      
       Sinais e sintomas:
       Variam em um espectro de alterações neurológicas secundárias (irritabilidade, letargia, tremores, vômitos) a primárias (convulsões, coma, estupor, morte). Estas crianças devem receber assistência médica imediata, pois estes traumas com freqüência causam hemorragia e lesão cerebral, ainda que não haja sinais externos de abuso (queimaduras, hematomas, escoriações. fraturas de crânio, fraturas múltiplas).
      
       
    Agitar o bebê pode ocasionar séries lesões no cérebro do bebê

       Fatores de risco:
       Além de todo um perfil de maior predisposição já conhecidos na violência à criança (situação de estresse, alcoolismo ou drogadição, pais com baixa idade, crianças debilitadas ou portadoras de deficiência), o choro costuma ser o gatilho mais comum para a ocorrência da Síndrome do Bebê Sacudido.
      
       A criança pequena chora em média de duas a três horas por dia, e 20 a 30% das crianças excedem substancialmente este tempo. Crianças choram freqüentemente em uma base aparentemente irracional, e podem não responder à tentativa inicial de um pai para os confortar. Chorar fica particularmente problemático entre a sexta semana de nascimento ao quarto mês de vida, o que coincide com a incidência maior da Síndrome do Bebê Sacudido.
      
       Pais e outros provedores de cuidado precisam saber que permitir a um bebe chorar é certo, desde que todas as sua necessidades tenham sido satisfeitas.
       


      
       Predisposição:
       Embora a identificação dos casos de Síndrome do Bebe Sacudido, na maioria das vezes, passe desapercebido em quase todos os serviços de atendimento a crianças, podemos observar que:
      
       - o pai biológico é o agressor mais comum;
       - os namorados das mães estão em segundo lugar;
       - babás em um terceiro plano;
       - depois as mães e os padrastos.
      
      
       Profilaxia:
       São importantes as orientações prestadas por profissionais da saúde (pediatras, neonatologistas) aos cuidadores (pais, babás, tios, avós, etc.) quanto aos riscos de se sacudir uma criança. Nunca, nem por brinquedo, por castigo ou por qualquer motivo, um bebê deve ser sacudido.
       
    Boneco de treinamento e instrução

       Aos médicos pediatras cabe lembrar-se dessa síndrome, para quando em atendimentos nas emergências poder reconhecer os seus sinais clínicos, e nos atendimentos de puericultura nos consultórios poder oferecer aos cuidadores (principalmente os de risco), orientações direcionadas aos cuidados com esta síndrome.
      
       (Fonte: Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul)